Em negrito: Campeões de Audiência entrevista Edgel Joseph

sexta-feira, 11 de novembro de 2011 | Postado por: Campeões de Audiência | 1 comentários

A festa de 24 anos de Edgel, acontece sábado(12), na Meet Music Lounge

O Blog Campeões de Audiência, vai entrevistar grandes personalidades da mídia local. A partir de hoje, você poderá ler as mais polêmicas declarações de famosos do Ceará, "Em Negrito". E começamos muito bem, com o aniversariante da semana, Edgel Joseph, que nos concedeu uma entrevista cheia de revelações e muito bom humor, que já virou sua marca registrada, presente em tudo que ele faz. A personalidade marcante e firmeza de opiniões, evidenciam a figura marcante que é Edgel. Confira o papo, na íntegra, sem cortes, sem censura e, boa leitura:

Edgel fala sobre a polêmica monografia sobre Xuxa

Campeões de Audiência - Umas das primeiras vezes que ouvi falar em você, foi com relação a sua formação em jornalismo. Você fez uma monografia sobre a Xuxa. É verdade que essa monografia fez tanto sucesso que te fez ir ao Ro de Janeiro? Conte-nos o que é verdade e o que é mito nisso.

Edgel Joseph - Não existe mito. Realmente, viajei ao Rio de Janeiro após escrever uma monografia de mais de 50 páginas sobre a Xuxa numa Universidade Federal. Prós e contras. Mas, como ela disse, "só quem ama é capaz de criticar". Convidaram-me a ir ao Rio para conhecê-la. Fui, assisti a uns três programas e adorei. Xuxa é mágica. Fui super bem tratado pela equipe. Xuxa fez parte da minha infância, e ainda faz. Vou no carro dirigindo escutando-a. E cantando. Devo a ela valores que tenho, como não beber, não fumar, não me drogar e a preservar a natureza. Se ela disse que devemos "soltar a franga", soltei, e não me arrependo. O importante é "soltar", mostrar para que veio, tendo, sempre, consciência dos limites. Respeito sempre. A mim, você e aos outros. Assim, os sonhos se realizam e tudo dá certo.

C.A - A partir daí, começou sua trajetória na TV? Como entrou na TV Diário?

E.J - Desde criança, sempre gostei de apresentar, brincar como se estivesse de frente às câmeras. Não foi difícil escolher a profissão. Mesmo assim, achando que a carreira jornalística talvez não pudesse dar certo para mim aqui no Ceará, fiz Administração na Uece e cursei até o quarto semestre quando não aguentei mais e decidi tentar, na UFC, Jornalismo. Passei. Me formei em 2009. Sempre gostei de escrever sobre relacionamentos, comportamento, moda... E felizmente consegui logo estagiar no Diário do Nordeste. Lá, passei por várias editorias, inclusive Cidades, mas meu forte era contar história sobre vidas, pessoas, intimidade, comportamento mesmo. Viajei, entrevistei artistas, ganhei uma coluna, fui para a rádio AM Verdinha... Até a TV DIÁRIO me chamar... No início, resisti. Não tinha certeza se era isso mesmo que eu queria... Mas o projeto era bacana, e ao lado de Maisa Vasconcelos, que super admiro. Então, deu certo a parceria. Deixei o jornal pela TV, e não me arrependo. Me encontrei. Lá, fazemos o Salada Mix pela manhã. Sou gay, mas falo para todos os públicos. Crianças, mulheres, jovens, mais velhos, homens... Um dia estou falando com uma atriz, outro dia estou no Lar Torres de Melo ou num hospital com crianças com câncer... Outra vez estou com pessoas com deficiência... A única diferença é a linguagem. Tento passar uma linguagem espontânea, e não caricata do mundo gay, até porque tenho muitas amigas heteros. Então, sou muito grato a TV DIÁRIO por ter apostado em mim, que sou super bem resolvido, e consegui sair do lugar comum do gay que só fofoca e fala de moda. Lá, apresento, produzo, edito. Gosto de todo dia ter algo diferente pra fazer. E não sou vaidoso porque trabalho em TV. Falo com todos do mesmo jeito. E, quando saio da TV, até esqueço... Hoje, também estou na A3 FM 91.3, ao lado de Camila Carla, uma experiência nova, apesar de já ter feito rádio... Afinal, é uma rádio de forró, e tento colorir, ainda mais, esse mundo, com informações curiosas...
 Não tenho temática gay no Salada Mix. Pelo contrário, evitamos. Queremos um produto para família. O gay ali é só eu. Mas o conteúdo, apesar de divertido, tem um foco, uma mensagem. Estudei numa federal e quero mostrar que podemos fazer entretenimento com qualidade, sem sensacionalismo, de forma gostosa de se ver, ouvir e aprender. Quando gravo, sempre penso numa criança que estaria me vendo. Não posso me conter, até porque não sou contido, mas tento passar tudo bem explicadinho e divertido, diferente. Já temos muita coisa igual. E pessoas que não tem coragem de dar a cara a tapa. Eu dei e consegui. Hoje, pode até ter quem me ache "maluco beleza", mas todos sabem da qualidade do que eu faço. Faço com muito amor e responsabilidade. Agradecendo todos os dias pela TV corajosa que lá me colocou e por Deus ter me dado um dom de falar que, ao mesmo tempo que pode chocar, cativa. 
Ando por aí, bato fotos e as mulheres dizem: "Meu pai adora você, meu marido te assiste". Acho que consegui quebrar preconceito. Acho que o preconceito vem quando você é enrustido., Quando você é bem resolvido, trata as pessoas bem, até quem te olha "meio assim" no início, depois, quebra o gelo e vira festa. Falo isso porque já me disseram durante entrevistas, tanto famosos, como anônimos. Sempre falam que consigo tirar das pessoas coisas que não é qualquer repórter que consegue. Acho que deve ser por me aproximar mais do meu entrevistado. Dialogar ao invés de entrevistar. Ser leve ao invés de formal. E, felizmente, a TV DIÁRIO me dá liberdade para falar os assuntos que quero, me vestir da maneira que quero... Eles confiam em mim, e isso me deixa feliz demais da conta.


Após se formar, Edgel passou pelo Diário do Nordeste e Rádio Verdes Mares AM, até chegar na TV Diário

C.A - E depois do Salada Mix, como surgiu o convite para o quadro que você apresentou no Programa Ênio Carlos?

E.J - Já existia um interesse do Ênio em me levar para o programa dele. Enfim, tentei um projeto ligado à moda, comportamento. Deu certo por um tempo, mas percebi que temos focos diferentes. Foco no sentido de público. Adoro o Ênio, mas queria de um jeito, ele de outro. Então, decidimos colocar a ideia somente no programa Sua Manhã, do qual o Salada Mix faz parte.

C.A - E enfim, veio o rádio. Como surgiu o convite pro rádio e qual sua experiência com esse veículo? Sempre ouviu rádio? Quem são, para você, os melhores profissionais do rádio?

E.J - Nunca fui ouvinte de rádio. Mas durante a faculdade, tinha um programinha na rádio do curso e adorava. Sempre gostei de escrever, apresentar. Tentei rádio na Verdinha, ao lado de Evandro Nogueira, mas não me sentia à vontade. Mas, agora, com dois anos de TV, me senti pronto para aceitar o convite da A3 FM 91.3 para estar ao lado de Camila Carla. Meu público é esse, o público da manhã, crianças, mulheres, família. Gosto de falar para eles. Acho que ser gay e ter uma linguagem que chega a todos esses públicos é complicado. E eu consegui, pelo menos, eu acho. E estou amando. Está dando certo. Fico feliz em levar para o mundo do forró esse meu lado mais entretenimento, mais informativo. Não curto fofoca, por fofoca. Gosto de noticiar e mostrar o que a informação tem a acrescentar para a gente. A Camila, assim como a Maisa Vasconcelos, são dois presentes que Deus colocou na minha vida. Amigas, parceiras de trabalho, inteligentes, sabem aconselhar, ouvir. Por isso, tudo dá certo e faz sucesso.

C.A - Você entrevistou muitos famosos, para seu  quadro. Quem levou pra vida e se tonou amigo(a) seu? Qual o mais simpático, dos seus entrevistados? E quem foi aquele famoso que você não gostou muito de entrevistar?

E.J - Adoro entrevistar Débora Secco, Marjorie Estiano, sempre ficamos "mega friends". Já entrevistei quase todos os artistas da mídia. Ivete, Claudinha, Cauã Reymond, BBB's... Sempre me dou bem com meus entrevistados. No início, uns ficam "meio assim", com aquela pose, mas depois, sempre dá certo. Caímos na graça e o conteúdo do programa fica super bacana. Tanto que adoro todos que já passaram por mim, alguns que às vezes eu não curtia e passei a curtir.

"Sou muito mimado, ainda escuto Xuxa, tenho a voz manhosa"

C.A - Me diga um famoso que você amaria entrevistar. E uma personalidade, sem ser artista. Um político, estudioso, esportistas?

E.J - Nunca entrevistei a Xuxa pessoalmente. Já a vi, conversei, mas não entrevistei cara a cara. Queria demais. E gostaria de entrevistar a Dilma e o Pelé. Acho os dois belos representantes, ela do público feminino, ele do masculino, e ainda é ligado a Xuxa.

C.A - Vamos falar agora da boate que você é host e sua participação virou febre. Como surgiu o convite da Meet? Tem muitos amigos no meio GLS ou são todos apenas colegas de trabalho?

E.J - Comecei na Meet, ha dois anos, dançando por gostar de dançar... E por não beber, não fumar, nem me drogar. Não tinha amigos gays. Tinha medo dos grupos gays que sempre falam demais, são ferinos demais...Não tinha o que fazer senão subir num palco e dançar... Fui ficando conhecido, até as donas do local me contratarem como host. E isso já faz seis meses. Hoje, tenho dois estilistas maravilhosos que cuidam detalhadamente de cada roupa, duas por dia do final de semana. Tenho dois maquiadores perfeitos. Hoje, o menino do queijo ganhou nome: EDGEL... E deixou de ser "o louquinho que dança" e virou artista. E isso me faz também me orgulhar, porque é uma conquista muito bacana, pois consegui o que queria: ser respeitado por respeitar. Minha função é animar. Meu aniversário, então, vai comemorar tudo isso. E vai ser aberto. São meus 24 anos, que quero comemorar como meu debut. Como se estivesse fazendo 15. Looks especiais, uma entrada triunfal, para comemorar a diversidade, a espontaneidade, o carinho que recebi nesse tempo todo... A energia que emano enquanto danço e recebo de volta... E agradecer a Deus e as pessoas que me aceitaram com o tempo e entenderam que, longe do exibicionismo, eu estou ali para cumprir um trabalho, uma missão de vida: passar alegria. E olha que pra isso deixo minha vida pessoal de lado. Mas vale a pena.

C.A - Você realizará uma das maiores festas já vistas em Fortaleza, para comemorar seu aniversário, sábado, dia 12, na Meet? Como estão os preparativos para essa festa?

E.J - Estão me dando um trabalho. Mas Fortaleza já teve festas maiores. Vai ser grande porque estarei ao lado de pessoas grandes, maravilhosas, amigos, fãs, pessoas que gosto, aprendi a gostar e vice-versa. Não me importa o tamanho nem a quantidade de gente que vá aparecer por lá. Importa-me que elas estejam indo porque encontraram em mim um amigo, uma pessoa bacana com quem possam contar, seja me vendo no vídeo, seja me vendo dançando... ou mesmo me ouvindo na rádio.

 C.A - Você é bastante novo. Se acha mais maduro que sua idade cronológica?  Como você vê isso?

E.J - Sempre me achei. Mas tenho muitos momentos de criança. Sou muito mimado, ainda escuto Xuxa, tenho a voz manhosa... Engraçado que sempre encontro pessoas no meio do caminho pra me mimar ainda mais. E adoro, confesso. Mas quanto às responsabilidades profissionais, familiares e afetivas sou muito maduro. Sei o que quero e o que não quero. Pra mim não existe talvez. Ou é sim ou não. Não perco tempo com o que não acho certo ou adequado. 

C.A - E como é o Edgel Joseph, no dia à dia, com familiares e amigos íntimos? E ele, no meio de trabalho? Existe uma diferença no comportamento?

E.J - Não vou mentir. Mas tem sim. O Edgel em casa ele chega, respira e dorme. Ser Edgel cansa. Quando chego em casa, a purpurina meio que se dilui no ar. Não por esconder nada. Afinal, lá em casa, todos sabem de tudo. Mas porque não tenho mais tanta purpurina na bolsa depois de um dia de glitter.

C.A - Qual seria o presente de aniversário dos sonhos?

E.J - Meu presente dos sonhos seria uma bola de cristal que me mostrasse o que vai acontecer comigo. Sou muito curioso.

"Preciso de rédea, às vezes. Alguém que cuide de mim"

C.A - Qual seria um presente que você daria as pessoas amadas, se pudesse presenteá-los?

E.J - Daria uma rosa e um abraço. O mundo anda meio preto e branco, apressado, sem tempo. As pessoas não se olham mais cara a cara. Quando a gente abraça, dá um presente, a gente troca energia. E minha energia é o melhor presente que posso dar. Como minha mãe diz, nasci com um trio elétrico dentro de mim... Então, vamos fazer esse trio pegar fogo...

C.A - No futuro do Edgel Joseph, o que você vê ou gostaria de ver?

E.J - Eu vejo um sucesso conquistado humildemente. Sei que vou parar longe, mas não tenho pressa. Acho que a gente deve sonhar, mas fazer por onde. Graças as Deus as coisas acontecem, aos poucos na minha vida, sem eu correr atrás. Elas vem. E eu agarro. Mas, claro, que elas vieram porque fiz algo para isso... Algo bem feito! Sou muito perfeccionista com meu trabalho, com minha imagem. E também eu queria estar bem casado. Sou muito livre, espontâneo, e alguém bacana me faria bem. Preciso de rédeas, às vezes. Alguém que cuide de mim. Que pense comigo. 


C.A - Deixe um recado pra quem gosta de você, te admira, amigos e colegas da mídia, que estão lendo essa entrevista. E deixe o convite para seu aniversário.

E.J - Só tenho a agradecer. Agradecer o carinho, o respeito, a admiração, por terem me aceitado nesse mundo que percebo tão perverso. O mundo gay é complicado, segrega, implica, solta veneno. E acho que consegui passar por isso. Dei a cara a tapa, mas consegui. Deve ter quem ainda fale algo. Mas falam mal da Xuxa, da Britney, da Gaga. Por que eu tenho passar despercebido das críticas? Sou humilde o suficiente pra dizer que sou carente e preciso de vocês. Por isso, tanta exposição. Mas não é uma exposição gratuita. Gosto de me expor, mas mostrar que tenho algo pra dizer, pra falar, pra dançar. É uma "loucura prudente". E esse carinho gratuito, os elogios, me fazem tão bem... Só posso agradecer tudo isso com muita festa, dança, suor na pista. E é isso que teremos sábado na Meet... E todos estão convidados para a festa dos meus 24 anos, a festa da diversidade, do "tô nem aí", do "sou feliz, e daí?".

Edgel no Facebook? Clique aqui!

Edgel no Twitter? Clique aqui!

Entrevista de Edgel no Zona Mix? Clique aqui!



Confira a festa de aniversário de 24 anos de Edgel Joseph, neste sábado (12), na Boate Meet Music Lounge.  A Meet, fica na Jucá, 273, Varjota.

@AllissonMidia

categoria:

1 comentários

  1. Anônimo says:

    ...Que as suas asas sejam mágicas como o orvalho doce no amanhecer de sua esperança diária renascida junto ao sucesso revigorado em seus sonhos...Boa sorte !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! ...